<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script> <!-- mmusicradiorock_sidebar_AdSense1_1x1_as --> <ins class="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-5732212802343663" data-ad-slot="8592965930" data-ad-format="auto"></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- mmusicradiorock_sidebar_AdSense1_1x1_as -->
<ins class="adsbygoogle"
style="display:block"
data-ad-client="ca-pub-5732212802343663"
data-ad-slot="8592965930"
data-ad-format="auto"></ins>
<script>
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Pink Floyd: 40 anos de Animals

Pink Floyd: 40 anos de Animals

(lançado em 23 de janeiro de 1977)


Após a dobradinha Dark Side Of The Moon/Wish You Were Here, o Pink Floyd vivia seu momento de maior popularidade – até então. Até por isso, Roger Waters se sentiu respaldado o suficiente para arriscar. Animals é um álbum conceitual, criticando o sistema sociopolítico britânico. A inspiração foi buscada em The Animal Farm (A Revolução Dos Bichos), livro de George Orwell, embora não se trate de uma reprodução literal da obra. A analogia proposta coloca seres humanos no lugar dos animais. Apesar de consagrado junto à opinião pública, o trabalho não foi uma unanimidade nem mesmo dentro do grupo. 

Waters e David Gilmour já declararam não terem gostado da produção, enquanto Richard Wright, que pela primeira vez não recebeu um crédito pela produção, admitiu que as sessões de gravação foram extremamente tensas. Nick Mason ainda destacou as brigas entre as duas figuras proeminentes, que resultaram até mesmo em desentendimentos quanto a royalties.


Além da vinheta “Pigs On The Wing” no início e encerramento, Animals conta com três longas faixas. “Sheep”, a mais curta, fica na casa dos dez minutos, enquanto “Dogs” vai até os dezessete. 

Como se pode imaginar, não é um trabalho de fácil assimilação para ouvidos não acostumados ao lado mais inventivo e desenfreado da banda. 

Mesmo assim, obteve grande desempenho nas paradas, com um segundo lugar no Reino Unido e terceiro nos Estados Unidos, onde vendeu mais de 4 milhões de cópias. O porco presente na capa, sobrevoando o Battersea Power Station, de propriedade do quarteto, se tornou até mais icônico que a própria música presente no play. 

Foi transportado aos palcos e merchandising, passando a ser um símbolo do grupo. A turnê In The Flesh transcorreu em meio a diversos desentendimentos e causou desconforto, especialmente em Roger Waters, nada acostumado com as reações de públicos em estádios. Assim nasceu a ideia para a criação dele, o muro. 

https://open.spotify.com/embed/album/3b4E89rxzZQ9zkhgKpj8N4

Nenhum comentário:

Postar um comentário