<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script> <!-- mmusicradiorock_sidebar_AdSense1_1x1_as --> <ins class="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-5732212802343663" data-ad-slot="8592965930" data-ad-format="auto"></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- mmusicradiorock_sidebar_AdSense1_1x1_as -->
<ins class="adsbygoogle"
style="display:block"
data-ad-client="ca-pub-5732212802343663"
data-ad-slot="8592965930"
data-ad-format="auto"></ins>
<script>
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Edguy: 20 anos de Kingdom Of Madness

Edguy: 20 anos de Kingdom Of Madness

(lançado em 8 de fevereiro de 1997)
O Edguy foi uma banda incrivelmente precoce. O quarteto original começou a tocar junto em 1992, aos 14 anos de idade. Em 1994, lançaram as primeiras demos, Evil Minded e Children Of Steel. The Savage Poetry, álbum de estreia, foi lançado de forma independente, depois sendo adquirido pela gravadora AFM, que ampliou a divulgação original. 

Assim, chegamos a Kingdom Of Madness, considerado pela própria banda seu primeiro lançamento profissional, por assim dizer. À época, Tobias Sammet ainda acumulava a função de baixista e o baterista era Dominik Storch, que seria substituído por Felix Bohnke alguns anos mais tarde. As ideias seguiam o caminho do Power Metal tipicamente europeu, que passava por seu momento de maior sucesso, antes de se tornar a vertente mais saturada do gênero.

A banda ainda se mostrava um tanto quanto verde, o que pode ser sentido nos arranjos e na produção, que assinaram em parceria com Erik Grösch. Mas já oferecia alguns bons momentos, como em “Paradise”, faixa de abertura, ou “Wings Of A Dream”, regravada anos mais tarde, nas sessões do disco Mandrake. Baladeiros não terão do que reclamar em “When A Hero Cries”, pontuada por piano e orquestrações. Vale citar ainda que “The Kingdom”, faixa de encerramento, tem mais de 18 minutos e conta com participação de Chris Boltendahl, vocalista do Grave Digger, narrando uma parte textual e dando uma gargalhada maquiavélica.

Era o princípio de uma história épica que se tornaria farrista – e muito melhor. O início da real consagração viria no trabalho seguinte, Vain Glory Opera, já bem mais elaborado.

Tobias Sammet (vocais, baixo, teclados)
Jens Ludwig (guitarra)
Dirk Sauer (guitarra)
Dominik Storch (bateria)

01. Paradise
02. Wings Of A Dream
03. Heart Of Twilight
04. Dark Symphony
05. Deadmaker
06. Angel Rebellion
07. When A Hero Cries
08. Steel Church
09. The Kingdom


Nenhum comentário:

Postar um comentário