<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script> <!-- mmusicradiorock_sidebar_AdSense1_1x1_as --> <ins class="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-5732212802343663" data-ad-slot="8592965930" data-ad-format="auto"></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- mmusicradiorock_sidebar_AdSense1_1x1_as -->
<ins class="adsbygoogle"
style="display:block"
data-ad-client="ca-pub-5732212802343663"
data-ad-slot="8592965930"
data-ad-format="auto"></ins>
<script>
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Baixista do Poison explica porque só dá um autógrafo por pessoa

Baixista do Poison explica porque só dá um autógrafo por pessoa


O baixista Bobby Dall (Poison) contou ao The Washington Times ser uma pessoa relutante em dar autógrafos. Especialmente em tempos atuais, com tantos caçadores de assinaturas profissionais, que vendem os artigos por preços exorbitantes na internet. “Não vou autografar trinta coisas e deixar alguém enriquecer às minhas custas. Assino um item, é a minha regra. Também tento atender quem me encontra na rua, mas nem sempre quero ser incomodado. Explico que não estou em um bom dia. Se você pagar 100 dólares pelo ingresso, dou um show que valeria 400. Porém, o resto do tempo do dia é meu”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário